domingo, 14 de outubro de 2012

Mostarda Di Cremona, Mantova, Vicenza e Milano

Bom, para aqueles que pensaram que a expressão "mostarda" significa aquele molho amarelinho que, em geral colocamos no hamburguer, fica aqui a decepção. Mostarda em italiano significa uma conserva de frutas com sabor agridoce.

A expressão "mostarda" vem do latim Mustum Ardens, e significa, ao pé-da-letra, um mosto ardente, já que a receita original da Idade Média era preparada com um fermentado de sementes de uva, mel e sementes de senape (a nossa mostarda amarelinha), que depois de constante aquecimento e redução, produzia um molho viscoso, levemente ardido e ácido, que acompanhava muito bem pratos de carne vermelha ou branca, e queijos em geral.

A Mostarda di Cremona foi documentada pela primeira vez em 1604, por Lancelot de Casteau, chefe de cozinha que servia grandes reis e senhores feudais, e que circulava a Europa em busca de receitas diferentes; em seu livro "O Autor", ele relata o sabor da receita tão importante da "Cucina Cremasca".

Outros garantem que a receita já havia sido documentada quase 200 anos antes, pelo chefe de cozinha Martino, que servia à corte de Aquilea, em seu livro "Libro de arte coquinaria", e alguns tantos afirmam que Gian Galeazzo Visconti, primeiro duque de Milão, já havia relatado essa receita em 1397, em carta onde encomenda o preparo para consumo próprio.

Interessante também, é que esse preparo nunca foi exclusividade da nobreza ou do clero, pelo contrário, era preparada pela população em geral, que tinha acesso aos ingredientes com bastante facilidade; novamente um exemplo de que a cozinha italiana é feita de simplicidades.

Normalmente essa receita é preparada entre o final do Verão e início do Outono, utilizando frutas ácidas e levemente verdes (não maduras), e depois de ficar alguns meses em conserva, encontra seu apogeu no final do ano; exemplo disso é que no Norte da Itália, apreciar a "Mostarda" é obrigatoriedade na ceia de Natal; nenhuma família tradicional fica sem sua própria mostarda, normalmente feita em casa, e pela melhor cozinheira do mundo - a própria "mamma".

O modo de preparo varia de região para região, e apesar de cada uma jurar de pés juntos que produz a melhor "Mostarda" da Itália, é a de Cremona que ficou mais conhecida, muito embora você encontrará aqui as variantes Mostarda di Mantova, Mostarda di Milano e Mostarda de Vicenza.

Mostarda di Cremona

O Primeiro passo é escolher 800 g. de frutas levemente verdes, sendo:
- 200 g. de maça;
- 200 g. de pêra;
- 200 g. de pêssego ou ameixas;
- 200 g. de figo;

Lave-as bem, retire caroço, casca (exceto o figo), corte-as em pedaços grandes e reserve em quatro vasilhas separadas, já que o preparo será feito individualmente. Polvilhe 100 g. de açúcar sobre cada uma das vasilhas e deixe descansar por 24 horas dentro da geladeira, cobrindo a vasilha.

Transcorridas as 24 horas, leve todos os recipientes ao fogo baixo, tomando o cuidado para que depois de entrar em leve ebulição, não ultrapasse 5 minutos. Desligue o fogo, e deixe esfriar sem tampar o recipiente; assim que estiver em temperatura ambiente, leve à geladeira novamente por 24 horas. Faça isso mais duas vezes.

Quando as frutas estiverem prontas, aqueça uma panela com meio copo de vinho branco seco e duas colheres de sopa bem cheias de mel, sempre em fogo baixo; assim que o líquido estiver reduzido, adicione duas colheres sopa de mostarda em pó; caso não encontre mostarda em pó, você pode triturar finamente as sementes de mostarda.

Acomode agora todas as frutas dentro de um recipiente maior, preferencialmente de vidro e com tampa, tomando cuidado para não as quebrar ou amassar os pedaços de frutas. Adicione o líquido feito de vinho, mel e mostarda em pó.

Considerando que no Brasil temos temperaturas altas, guarde a compota no refrigerador.
Em uma semana os resultados já são ótimos.

Mostarda di Mantova

O preparo é exatamente igual à Mostarda di Cremona, porém você deverá utilizar 400 g. de pêra e 400 g. de maçã, sem pêssego, figo ou ameixas.

Mostarda di Milano

O preparo é exatamente igual à Mostarda di Cremona, porém adicionando mais 200 g. de cerejas, que devem ser prepadas da mesma maneira. Utilize cerejas frescas, não as cerejas em conserva.

 Mostarda di Vicenza

O preparo é exatamente igual à Mostarda di Cremona, porém substitua os figos por laranja e limão siciliano cortados em finas fatias e com casca; além disso os ingredientes devem ser cortados em pedaços pequenos (todas as frutas).



5 comentários:

  1. Super interessante. Obg por compartilhar.

    ResponderExcluir
  2. O liquido do cozimento das frutas é misturado ao liquido do vinho, mel e mostarda para depois ser adicionado as frutas?

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do texto. Fiquei em dúvida se todas as frutas vão ao fogo em uma única panela? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luuuu! é uma questão de "estilo". Eu prefiro que sejam feitas de forma individual, conservando assim o saber de cada fruta com mais intensidade

      Excluir